Inovação
05/10/2016 3 min de leitura

Close errado: a internet não perdoa

De julho até o fim das Paralimpíadas, o Ministério da Saúde lançou a campanha “Close Certo”, com o objetivo de informar a população sobre HIV e Aids durante o Rio 2016. A estratégia escolhida foi utilizar o aplicativo Hornet, de encontros gay, o que gerou uma chuva de críticas no Twitter.

De julho até o fim das Paralimpíadas, o Ministério da Saúde lançou a campanha “Close Certo”, com o objetivo de informar a população sobre HIV e Aids durante o Rio 2016. A estratégia escolhida foi utilizar o aplicativo Hornet, de encontros gay, o que gerou uma chuva de críticas no Twitter.

Para os internautas, focar a campanha “Close Certo” apenas para o público gay é preconceito e irresponsabilidade, justamente por não englobar outras parcelas da população, além de reforçar velhos estereótipos em relação a comunidade gay.

O objetivo da campanha, de saúde pública, deveria ser simples: uma doença que atinge a todos deveria ser voltada para todos os públicos. No Portal da Saúde, do SUS, Adele Benzaken, diretora do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, afirma que a intenção da campanha é atingir “o público jovem, gay e de homens que fazem sexo com homens”, segundo ela “uma das populações-chave nas ações de prevenção”. Entretanto, se observarmos o gráfico abaixo a transmissão da Aids em homens no brasil atinge a todos, heterossexuais, homossexuais e bissexuais o que não justifica o foco da campanha.

statistic_aids

Segundo o site do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais apesar de o número de casos no sexo masculino ainda ser maior entre heterossexuais, “a epidemia no país é concentrada em grupos populacionais com comportamentos que os expõem a um risco maior de infecção pelo HIV, como homossexuais, prostitutas e usuários de drogas)”. E foi justamente esse enfoque que deixou a internet revoltada, com toda razão!Entenda o nome da campanha

Segundo o site “Qual é a Gíria”, “dar close certo” é uma expressão difundida pela comunidade LGBT que quer dizer o mesmo que “fazer algo bom”, “acertar em algo que fez”, “mandar bem”.
A campanha se apropriou da gíria, mas jogou contra quem a criou.

Campanhas como essas, em tempos de conexão e compartilhamento, não passam mais despercebidas:

xena-twitter

xena-twitter-2

xena-twitter-3

Em outros casos, a opinião pública on-line fez grandes empresas repensarem suas campanhas. Ideias equivocadas sempre existiram, mas as redes sociais não. E elas mudaram essa dinâmica: antes, passava despercebido, hoje, todos têm acesso e podem falar sobre tais assuntos, fazendo com que marcas, governos e até nós mesmos repensássemos certas opiniões.

VOLTAR

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados