Educação
10/07/2017 3 min

Mudanças nos costumes

Alguns resultados do estudo Juventude Conectada, da Fundação Telefônica.

A humanidade se desenvolveu ao longo da história fazendo obras para durar muito tempo. Das grandes construções na Antiguidade aos automóveis e aviões contemporâneos, o segredo sempre foi a durabilidade. Essa ainda é a regra de ouro no mundo off-line. Mas não no mundo digital. Nele, a única coisa permanente é a mudança. Quanto mais modificações, melhor fica. E os jovens são os atores principais da constante metamorfose da internet. Segundo o Juventude Conectada, um amplo estudo sobre o papel dos jovens brasileiros na era digital.

As mudanças nos costumes e no comportamento dos jovens na web costumam ser maciças e desencadeiam outras, numa espécie de efeito-dominó. Na sua segunda e mais recente edição, relativa a 2015, a pesquisa mostra que 85% dos entrevistados usam o celular como principal dispositivo para acessar a internet – nada mais, nada menos que um crescimento de 105% em relação ao primeiro Juventude Conectada, dois anos antes. Nas entrelinhas dessa mudança, está uma queda brutal no uso de computadores, muitas vezes compartilhados com outras pessoas da família e um consequente aumento na privacidade no uso de um equipamento portátil e por excelência individual.

Não foi por acaso, segundo o estudo, que no mesmo período tenha disparado o uso de aplicativos de mensagens em prejuízo de mídias sociais, principalmente o WhatsApp, que viu crescer seu número de usuários jovens de 86%, em 2013, para 99%, em 2015. “Essa expansão é estimulada, em grande parte, pelo uso do celular como principal dispositivo de acesso. Mas também é impulsionada por uma percepção de maior privacidade em relação às redes sociais”, revela a pesquisa.

Como os grupos de WhatsApp são de participação restrita, os jovens declaram que se sentem mais à vontade para emitir opiniões e compartilhar conteúdos por meio dessa ferramenta, que no Facebook ou em outra rede social, em que o controle sobre quem pode acessar esses conteúdos é menor.

A predominância do uso de smartphones têm outras consequências. Em 2013, o estudo apontava que 45% dos jovens acessavam revistas e livros digitais. Com um aparelho menor, esse índice caiu em 2015 para 36% (livros) e 30% (revistas). “A frequência que já era baixa caiu ainda mais, passando de 1,3 dia por semana, em média, para 0,8”, pondera a pesquisa.

No entanto, as evidências coletadas nas etapas qualitativas da pesquisa revelam que os jovens acessam esses conteúdos de forma não hierarquizada. Ou seja, os usuários não fazem o caminho padrão de acessar o site de uma revista. Em vez disso, leem diversos artigos e reportagens compartilhados por amigos, ou mesmo pelos perfis dos próprios veículos. Embora comprem poucos livros digitais, leem trechos ou capítulos disponíveis on-line.

Essas e outras transformações que os jovens promovem na internet, com o uso criativo que fazem dela, também trazem consequências para eles próprios. “A internet impacta as relações, as opções de lazer e a forma de estar no mundo”, afirma o Juventude Conectada. “A democratização do acesso à informação e às tecnologias de comunicação e informação amplia também o potencial de impacto da internet sobre a capacidade de aprender, empreender e reivindicar um papel mais ativo e participativo na vida democrática”, conclui o estudo.

Fonte: Pesquisa Juventude Conectada, da Fundação Telefônica.

VOLTAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados