Segurança
01/11/2017 4 min

Onde estão as melhores ofertas?

Não basta pesquisar, olho vivo ajuda a evitar fraudes na Black Friday

As ofertas são tentadoras, mas para fazer bons negócios na Black Friday, no próximo dia 24, é preciso muito mais do que pesquisar. Frear o entusiasmo e abrir os olhos ajudam a detectar fraudes, muito comuns na megaliquidação que mobiliza o e-commerce com mais de 25 milhões de usuários ativos no primeiro semestre deste ano, segundo a Ebit (empresa de informações sobre varejo eletrônico), e também as lojas físicas.

Adotar medidas de segurança contribui para evitar problemas.

Prevenção 

dialogando_img03

  • Instalar no celular e em outros dispositivos usados para as compras um antivírus que ajuda a detectar ameaças e tentativas de invasão ou clonagem do equipamento.

  • O perigo pode surgir de várias fontes. De um e-mail com um produto a preço muito abaixo da média e com um link que, ao clicar, dá acesso aos dados privados do usuário. Ou de uma mensagem do WhatsApp que encaminha para uma falsa página de venda, na qual a pessoa acaba transferindo valores para as contas dos golpistas.

Verificação

dialogando_img02

  • É recomendável acessar a página desejada por navegadores seguros, ao invés de clicar em links de terceiros.

  • Uma rápida pesquisa pode indicar se a oferta é verdadeira e se de fato consta na página oficial da loja.

  • Para checar a confiabilidade do site, pesquise as reclamações e opiniões de clientes no Reclame Aqui ou na lista de sites fraudulentos da Fundação Procon.

  • A página deve conter identificação da empresa, como razão social, CNPJ, endereço e telefone.

  • Evite sites que aceitam pagamento apenas por boleto e transferência bancária; em caso de problemas pode ser mais complicado recuperar o valor pago.

Segurança 

dialogando_img01

  • Não é boa ideia fazer compras usando wi-fi ou computadores públicos, já que as redes abertas, sem senha ou criptografia, são mais vulneráveis a ataques dos hackers.

  • Checar se o site oferece conexões seguras, observando a presença do https e de um cadeado no endereço eletrônico, como ocorre, por exemplo, no site da Vivo. Isso garante que os dados do cliente estão blindados contra vazamentos e acessos indevidos.

  • Para boletos ou fazer transferências, acessar o site do banco usando um “b” no lugar do “com”, como em www.nomedobanco.b.br, assegurando assim o acesso à página verdadeira. Clique aqui para mais informações sobre proteção na internet.   

VOLTAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados