Inovação
24/11/2016 2 min de leitura

Patreon: o fã virou patrão

Com os produtores de conteúdo na web se profissionalizando, surgem novas maneiras deles sustentarem sua produção, como o Patreon.

Com os produtores de conteúdo na web se profissionalizando, surgem novas maneiras deles sustentarem sua produção. Se antes eram pagos por marcas ou não recebiam nada, hoje tem crescido o número de influenciadores que são pagos pelos próprios fãs. Isso graças a ferramentas que ganham cada vez mais espaço, como o Patreon.

Diferente de campanhas de crowdfunding onde as pessoas ajudam em um projeto uma única vez, a ideia do Patreon é permitir que os produtores de conteúdo, sejam eles artistas, vloggers, blogueiros ou outros criativos, recebam uma quantia de dinheiro mensalmente. A contrapartida de seu público pode ser das mais diversas: aproveitar um site sem anúncios, participar de um grupo VIP de colaboradores, definir pautas, participar de alguma atividade, concorrer a brindes ou mesmo apenas um obrigado, dependendo de quanto o fã investe, sempre começando em ao menos 1 dólar.

E já são vários os cases de sucesso de produtores de conteúdo, no Brasil um destaque é o Anticast, criado por Ivan Mizanzuk, Rafael Ancara e Marcos Beccari. No podcast é discutido principalmente política, artes, filosofia e história, e, com o Patreon, eles acabaram criando um grupo de ouvintes “patrões” no Facebook onde a conversa continua. Com mais de 600 patrões, o valor que eles pagam acabam também patrocinando outros projetos paralelos, como os podcasts Projeto Humanos, Três Páginas, Não Obstante, Visual+Mente, Salvo Melhor Juízo, Feito Por Elas e o É Pau É Pedra, programa nascido na comunidade de ouvintes.

O site espanhol AnaitGames também tem engajado seu público para conseguir o financiamento para manter o portal de games, que conta também com canal no Youtube, podcast e fórum. Como o usuário cria um perfil para interagir no site e no fórum, eles aproveitaram para vincular as recompensas dos patrões a essa conta. Quanto mais os usuários ajudam, mais acesso a conteúdos extras, sorteios e participação eles têm. Atualmente, o AnaitGames arrecada quase 4 mil dólares mensais.

Ilustradores e quadrinistas também têm se aproveitado do Patreon. Um deles é o Chris Grady, criador das tirinhas Lunarbaboon. Ele é um canadense, pai de família e professor que começou a desenhar a mão tirinhas em suas horas vagas, como uma brincadeira com sua esposa.  Quando começou a publicar, era apenas sua família que via, mas com perseverança ele foi sendo descoberto e começou a atrair um grande público, que logo se tornou fã e apoiador, não apenas compartilhando e comentando, mas com apoio financeiro em seu projeto no Patreon.

E você, tem algum projeto criativo? Quer começar um? Investir seu tempo estudando quem está se dando bem nessa plataforma pode te ajudar a planejar a produção de seu próprio conteúdo.

VOLTAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados