Segurança
04/01/2016 5 min de leitura

Segurança digital começa em casa

A Internet reflete a nossa realidade e, infelizmente, há crimes e criminosos em todas as sociedades.

Segurança no ambiente online é um assunto que preocupa muitos pais e, na maioria das vezes, não é solucionado da forma como deveria. Pois, como saber se seu filho está completamente seguro quando o acesso a internet deixa de ser apenas no computador de casa?

De acordo com uma pesquisa, divulgada em julho de 2015, pelo Comitê Gestor da Internet (CGI), 82% dos jovens acessam a internet também por meio de smartphones e 32% através de tablets. Foram ouvidos mais de 2 mil jovens.

Em contrapartida, os riscos da Internet não são os mesmo de anos atrás. A Internet reflete a nossa realidade e, infelizmente, há crimes e criminosos em todas as sociedades. Assim como as conquistas e oportunidades online avançam, com recursos cada vez mais incríveis e positivos, também os criminosos se aperfeiçoam.

Antes, grande parte desses riscos, podiam ser solucionados com programas capazes de bloquear determinados sites ou acompanhando fisicamente o uso da Internet pelas crianças. Hoje, é essencial que se faça uso de uma antiga tecnologia que continua super atual: o diálogo entre pais e filhos para criar capacidade e consciência crítica para navegar no mundo digital. “Isso (o diálogo) ainda não pode ser substituído por nenhum programa ou aparelho eletrônico e provavelmente nunca será”, comenta Rodrigo Nejm, psicólogo diretor de Educação da SaferNet Brasil e pesquisador na área de Psicologia e Novas Mídias.

Para ajudar a entender melhor como proteger as crianças, indicamos abaixo alguns exemplos de possíveis usos inadequados e violências encontrados no ambiente virtual. Afinal, é necessário entender o problema para observar e conversar sobre o assunto, no intuito de desenvolver a capacidade de autocuidado nas próprias crianças e adolescentes.

Ciberbullying

O Ciberbullying é a modalidade virtual do bullying, identificado pelas intimidações repetitivas entre crianças e adolescentes, mas com características próprias, pois tem um efeito multiplicador e de grandes proporções quando acontece na web. Nessa modalidade de bullying, os dispositivos tecnológicas tais como celulares e câmeras fotográficas, e os ambientes como a Internet e as redes sociais, servem para produzir, veicular e disseminar conteúdos de insulto, humilhação e violência psicológica que provocam intimidação e constrangimento das crianças e adolescentes envolvidos.

Ciberstalking (Stalking Behavior)

Perseguição em que a vítima pode ter sua privacidade invadida de diferentes maneiras seja por e-mail, redes sociais, mensagens no celular e qualquer outra forma insistente de contato. Em muitos casos a perseguição continua até fora da Internet: na escola, na rua e na porta da residência. Há diferentes definições legais de “stalking”, um conceito, que pode ser aqui apresentado, é quando alguém importuna e vigia de forma persistente, com o objetivo de incomodar, aterrorizar e alarmar outra pessoa.

Crimes de ódio e discriminação

Mensagem ou imagem que seja de alguma forma preconceituosa em relação à raça, cor, opção sexual, religião e origem. Traduz-se pela discriminação relacionada às características de grupos e minorias por meio de ações que contemplem preconceito, agressão, intimidação, difamação ou exposição de pessoa ou grupo. Pode ocorrer das formas mais corriqueiras, como em comentários ou imagens estereotipadas e difamatórias. Sem uma educação para estimular a cultura de respeito e de paz, também na Internet as crianças e adolescentes podem reproduzir discursos e ações preconceituosas.

Aliciamento sexual infantil online

Estratégia utilizada por pedófilos e pessoas envolvidas em produção de conteúdo pornográfico para seduzir, convencer e chantagear crianças com o objetivo de produzir imagens eróticas ou sexuais e cometer abuso sexual infantil online e off-line. Quebrar o tabu e falar sobre sexualidade desde a infância é importante para criar noções básicas de limites com o corpo, respeito à intimidade e condições de autodefesa. O diálogo aberto e sem julgamento é fundamental para que crianças e pré-adolescentes possam falar de suas dúvidas e preocupações com os pais e não sofrerem sozinha e em silêncio.

Nudes

É um fenômeno no qual os adolescentes e jovens usam redes sociais, aplicativos e dispositivos móveis para produzir e compartilhar imagens de nudez e sexo. O nude em si não é uma violência, mas sim o compartilhamento sem autorização que pode gerar humilhações e danos irreparáveis. O diálogo é o melhor caminho para evitar a exposição. Sem repressão, com esclarecimento e orientação para um exercício responsável da liberdade sexual.

VOLTAR

3 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados