Comportamento
04/09/2016 5 min de leitura

Tolerância e aceitação na era digital

Nossos limites terminam quando começam os do outro.

A rede é a forma mais inclusiva de as pessoas se expressarem livre e abertamente. O famoso: “todo mundo tem”

Para dar um norte conceitual a essa conversa, vamos diferenciar tolerância de aceitação. Tolerar pressupõe a permissão da existência de alguém diferente de você, da sua crença, dos seus valores. Aceitar, por outro lado, implica em compreender o mundo como ele é: cheio de pessoas, famílias, casais, culturas, lugares, cheiros, cores, tamanhos diversos.

A pedagoga e mestre em Educação, com pesquisa relacionada à Tolerância e Educação, Paula Andreatti Margues, ressalta que nossos limites terminam quando começam os do outro. Que a outra pessoa tem necessidades, vontades, dores e frustrações, assim como você e seu filho. Estamos em constante movimento e essa evolução da vivência permeia e abrange nossa relação e interação com o mundo, com nós mesmos, com o outro e com à internet (ela principalmente!). Podemos e devemos usá-la a nosso favor! A Paula ajuda a gente a entender, sob a lente das novas mídias, situações que podem ocorrer em nossas casas.

“Mãe, a foto de capa do face do meu amigo é com os dois pais dele!”

Paula Margues: Limitar o acesso das crianças aos conteúdos digitais, on-line e televisivos não é a solução. Não há como isolá-las dessa realidade, porque elas já nascem inseridas nela. Qualquer tentativa próxima disso é uma falsa sensação de controle sobre seu filho. Se a criança estranha e questiona ter vivenciado, presenciado uma cena de afetividade ou relacionamento homossexual, os responsáveis podem ajudar a criança a perceber que, assim como pessoas de sexos diferentes se amam, as do mesmo sexo também. Esse exercício varia de acordo com a linguagem e, principalmente, de acordo com a dúvida do seu filho. Responda apenas o que for trazido por ele. Se você não souber a resposta, é fundamental dizer que vai pesquisar sobre o assunto e, de fato, o fazer para dar a devolutiva para a criança ou o jovem. Não invente. Responda. Essa é uma parte extremamente importante do desenvolvimento do seu filho.

“Pai, o João virou Maria!”

Paula Margues: O conteúdo televisivo está mudando e tem abordado temas antes considerados tabus, como a transexualidade, por exemplo. A forma como os assuntos são tratados pela TV, ou na internet, não precisa necessariamente ser a sua. Mais uma vez, o caminho é um diálogo que apresente uma concepção de mundo e de sociedade em que diferenças sejam qualidades. Não tenha medo de errar. Explique que existem outros valores, posicionamentos, modos e pontos de vista, além dos que ela conhece. É um processo importante para a criança se colocar no lugar do outro. Para isso, elas precisam aprender que há mais de um modelo de ser, existir, viver, escolher, casar, ter filhos, se relacionar, se vestir e falar. Apresente as diversidades.

“Falaram que meu cabelo é ruim no Face”

Paula Margues: Quando uma situação dessas acontece, é importante explicar sobre o preconceito, que é uma questão histórica e social. E está errado! Converse com seu filho para que ele esteja preparado para questionar quem o ofendeu na rede. Fale sobre certo e errado. Trabalhe muito a autoestima do seu filho e diga que não há cabelos bons ou ruins, apenas diferentes. E a reciproca é verdadeira, se o seu filho for o que estiver fazendo bullying, a conversa precisa ser série e esclarecedora.

A base de qualquer relação, principalmente a que envolve tanta confiança e (in)segurança como a de pais e filhos, é o diálogo. Sabemos que as informações e desinformações estão aí e nos rondam diariamente. Agora, nosso papel é, mais do que nunca, formar filhos que saibam a diferença entre os dois.

Quanto mais cedo aceitarmos que temos o formato do olho, a cor do cabelo, o tamanho das bochechas, o gosto musical diferentes dos nossos amigos e que o mundo não deixou de girar por isso, já seremos e consequentemente formaremos pessoas mais inclusivas para o nosso futuro. Principalmente em uma realidade digital que cresce e entra em nossas casas com cada vez mais força, trazendo cada vez mais diferenças e particularidades.

VOLTAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados