Comportamento
23/06/2017 3 min

Várias formas de amar

Quem acha que amor não combina com monogamia sofre. Afinal, onde já se viu não considerar a fidelidade o valor mais importante de uma relação?

Quem acha que amor não combina com monogamia sofre. Afinal, onde já se viu não considerar a fidelidade o valor mais importante de uma relação? Mas a infidelidade só existe quando a relação com uma terceira pessoa é secreta. E quando todos os envolvidos concordam e aceitam? Isso é o que acontece nas relações não-monogâmicas como o poliamor (ou polifidelidade), que graças à tecnologia estão conseguindo emergir e sair do esconderijo que as protegem do preconceito.

“A internet me ajudou muito”, disse a dona de casa Juliana Cabral em entrevista ao portal G1. “No começo eu tinha vergonha de dizer que era casada com um homem e com uma mulher”, acrescentou Juliana, que é unida de papel passado com Jovino, com quem teve dois filhos, e mantém relação também com Daiane, que trouxe outras duas crianças para a família. Todos passaram a viver juntos nessa modalidade de relacionamento, na qual pelo menos três pessoas mantêm uma relação afetiva mútua, consentida e mediada pela fidelidade.

“Vendo os depoimentos na internet, vi muita gente como eu. E era gente feliz”, lembra Juliana em agradecimento ao grupo Poliamor, no Facebook, por ajudá-la a sair das sombras da vergonha. “Nós nos queremos bem, não fazemos mal a ninguém e precisamos ser respeitados”, disse ela. “Poliamor não é safadeza. Poliamor é amor”, finaliza.

Essa forma de relação é reconhecida no país desde 2012 por uma tabeliã da cidade de Tupã, localizada a 600 quilômetros da capital paulista, que oficializou a união poliafetiva de duas mulheres e um homem.

A internet tem encurtado e muito o caminho entre pessoas que não concordam, não se sentem bem com a exclusividade e, mais importante, não fazem questão dela. É o caso de sites como o Openminded, voltado para casais estáveis que não pretendem se separar, mas que aceitam ou gostam que um dos parceiros mantenham outro relacionamento simultaneamente.

E quando se trata de liberdade, os aplicativos potencializam as possibilidades de quem não quer a monogamia. Um deles é o Bumble, no qual só a mulher pode iniciar o contato. O Feeld é uma outra opção para casais em busca de outro casal, ou mulheres em busca de um casal. Há opções para todos os desejos. Inclusive o seu. Boa sorte.

VOLTAR

39 Comentários

  • JHON disse:

    Gostaria muito de encontrar alguém de curta tb, mente aberta e sem preconceitos, viva ao poliamor!

  • Luiz Edmundo disse:

    Já vivi algo semelhante e não tive nenhum tipo de problema com isso, depende das regras impostas pelas pessoas envolvidas…

    • Dialogando disse:

      Obrigado pelo seu relato, Luiz! Com certeza podemos encontrar o respeito mútuo com as pessoas que amamos!

  • Rogerio disse:

    Cada um na sua . Gente feliz não enche o saco e não aborrece ninguém.😂😂😂

  • Montenegro disse:

    Quando o respeito e a harmonia são os pilares de um relacionamento não há o que temer . Precisamos ser verdadeiros e buscarmos a felicidade!

  • Gabriela LEAL disse:

    Eu ao contrario,durante toda minha vida me relacionei com homem,e estando vivendo com mesmo conheci uma pessoa do mesmo sexo,foi amor a primeira vista,nós nos envolvemos.Pelo fato d me relacionar só com homem,tive vergonha no começo.Mas hoje vamos fazer 8 meses e estamos bem,nos respeitando sempre…

    • Dialogando disse:

      Que bom saber disso, Gabriela! Respeito a todas as formas de amor!

  • Alessandra disse:

    Acho que vai muito da personalidade de cada um. O que é bom pra você, pode não ser uma das melhores coisas pra mim. Em decorrência disso todos devemos aceitar a maneira como o outro escolheu viver. O que importa é a felicidade e estar em bem consigo mesmo sempre será o caminho pra ela.
    Eu particularmente não conseguiria ficar em um relacionamento desse tipo, porém acho bem interessante, aliás não deixa de ser amor, apenas é uma forma diferente de amar.

    • Dialogando disse:

      Ótimo comentário, Alessandra! É muito importante respeitarmos os direitos dos outros de amar!

  • MARCElo nunes disse:

    Não vejo mal nenhum.qdo o casal se gosta e se for aceito por ambos

  • Rosana disse:

    Para mim é difícil aceitar esse tipo de relacionamento, me parece que o compromisso se esvai

  • Jose Juela disse:

    Eu acredito ser possível até amar duas pessoas a mesmo tempo. Mas o relacionamento aberto não tem, para mim, nenhum sentido. Pode achar o que quiser, me criticarem mas como você vai ter um relacionamento com uma pessoa que a qualquer momento pode estar com outro. Ou simplesmente, você não quer ficar com ela e vai procurar outra pessoa?
    A fidelidade eu acho muito dificil manter intocável para o resto da vida e do relacionamento. Agora a promiscuidade tácita! Sem condicões para mim. E outra,se está traindo é por que está faltando ou insatisfeito com algo. Se não fosse a lei para separações( bens , pensões, filhos e etc) , todos entrariam e sairiam dos casamentos mais facilmente. Imagine para os filhos de um casamento aberto?

    • Dialogando disse:

      Jose, é por isso que sempre acreditamos que, desde a monogamia até o poliamor, o diálogo é fundamental para promover a harmonia nos relacionamentos. Através do diálogo podemos sempre fazer todas as formas de amor darem certo!

  • Normam disse:

    Eu gostaria de viver uma história destas, acho que relação com felicidades hoje está escasso.
    O respeito e o amor é sublime!

  • Luccas disse:

    O Amor é múltiplo, o Amor pode e deve se espalhar. Amor Eros, Amor Agape, Amor biológico. Parabéns, há muito a humanidade sofre por “engessar” sentimentos tão fundamentais pra felicidade.

    • Dialogando disse:

      Com certeza, Luccas! Devemos sempre promover o amor entre as pessoas 😉

  • Sandra Maria disse:

    Li à matéria com bastante atenção e ,sou a favor dessa forma de amar…poliamor .

  • Abel disse:

    Será que quem não deseja a monogamia é porque pensa mais no próprio prazer e em sua própria vontade acima do companheiro? Há dados estatísticos sobre o tempo e a qualidade de uniões poligâmicas? É preciso refletir.
    O canal “dialogando” tem que permitir comentários com opiniões diferentes do autor do artigo, senão, é melhor mudar o nome para “monologando”.

    • Dialogando disse:

      Abel, concordamos que todos devem ter acesso ao diálogo e estar abertos a opiniões diferentes e novas reflexões. O próprio Dialogando é um portal que incentiva a propagação de diversas ideias e novas opiniões. Comentários que promovam esse diálogo são sempre bem-vindos.

  • Demostenes lopes cordeiro disse:

    Cada um faz o que quer. Se eles estão contentes, eu fico contente por eles.

    • Dialogando disse:

      Que bom saber a sua opinião, Demostenes! Valorizamos o respeito a toda a forma de amar.

  • Maria PERPétuo disse:

    O que importa é o amor, respeito e equilíbrio.

  • disse:

    Meu sonho viver isso …amo duas pessoas!

  • antonio marcos disse:

    Boa noite. No meu entender acho muito saudavel o relacionamento aberto. Sem ciumes sem preçao. Sem cobranças. Acho que e uma forma do relacionamento durar mais!

  • CONSTANCIO HUMBERTO PEREIRA CERGACO disse:

    Quem sou eu para criticar alguém…. !!!? Eu.não sei se.conseguia uma vida a três? Mas não me da o direito de criticar, a maneira de viver das outras pessaoas.

  • katia disse:

    Eu não conseguiria!!

  • tHAY disse:

    EU ACHO QUER CIUMES EH NORMAL

  • Jaiir disse:

    👌👍👏

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados