Comportamento
12/06/2018 4 min

Tempo de leitura

A superexposição da sexualidade em tempos de internet

Como o sexting pode se tornar sextorsão, e o que podemos fazer para evitar isso

Em uma era em que a tecnologia permeia todos os aspectos da vida, um dos pilares dos relacionamentos fica em xeque: a confiança. Ao mesmo tempo em que nos expomos cada vez mais na internet, saber as verdadeiras intenções das pessoas com quem nos relacionamos por meio dela se torna mais difícil. Essa dinâmica afeta em especial jovens e adolescentes, que usam a tecnologia para relações em suas vidas sexuais e amorosas, o que pode acarretar problemas maiores.

O sexting, troca de fotos íntimas de nudez e sexo, mensagens de textos insinuantes e eróticas por meio de redes sociais e aplicativos, mesmo sendo uma forma recorrente de expressão da sexualidade, coloca jovens em uma posição de vulnerabilidade: o que estava protegido pela intimidade pode ser divulgado a qualquer momento, acarretando estresse, bullying e até suicídio.

Uma das práticas que agrava a situação é a sextorção– ameaçar divulgar fotos íntimas como forma de chantagear outro. A Safernet, uma associação que defende os direitos humanos na internet no Brasil, lançou recentemente uma campanha sobre o assunto: assista ao vídeo para entender melhor.

“É muito importante não culpabilizar quem produz o nude, mas sim lembrar que é crime expor esse nude sem autorização. E é papel de todos nós ajudar quem está sofrendo algum tipo de ameaça ou exposição”, aconselha Rodrigo Nejm, diretor de educação da Safernet.

Quebrar o tabu sobre o assunto, se colocar à disposição para conversar com alguém que está passando por isso e nunca repassar fotos sem autorização são algumas atitudes que todos podemos tomar para acabar com asextorção. Denunciar é a arma mais forte contra esse tipo de prática e existem muitas maneiras de fazer isso, tanto dentro como fora da internet: todos estão protegidos por lei e podem recorrer tanto a delegacias quanto a regras das próprias plataformas digitais e motores de busca.

Saiba aqui as principais maneiras de denunciar as extorção.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados