Segurança
22/10/2018 3 min

Tempo de leitura

Adultos também sofrem ciberbullying

Caracterizada como assédio on-line, a prática criminosa pode trazer graves consequências psicológicas e emocionais às vítimas

Quando se fala em bullying pela internet, ou ciberbullying, é comum que a preocupação seja direcionada a crianças e adolescentes, alvos mais vulneráveis das agressões e discursos de ódio, mas pesquisas mostram que os adultos sofrem esse tipo de ataque e ameaça em proporções significativas e com danos igualmente graves. Após analisar 33 estudos acadêmicos sobre o tema, pesquisadores do Reino Unido concluíram que as vítimas da intimidação virtual apresentam 2,6 mais chances de incorrer em comportamento suicida.

Identificado geralmente como assédio no caso de maiores de 18 anos, o ciberbullying atinge um universo amplo de usuários, conforme levantamento publicado pelo portal Digital Guardian. Os dados mostram que 41% dos adultos já passaram por esse problema e as mulheres estão duas vezes mais sujeitas à ocorrência, especialmente na faixa entre 18 e 29 anos, com 21% assediadas sexualmente e 53% recebendo imagens explícitas não solicitadas. O assédio racial atinge 25% dos negros, 10% dos hispânicos e 3% dos brancos. A maioria de quem assedia são estranhos (34%), perfis falsos (31%), conhecidos (26%) e até amigos (18%). Entre as principais consequências relatadas, estão sintomas de estresse mental ou emocional (13%), problemas com a família e os amigos (8%) e danos à reputação (7%). Quando questionados como lidaram com a ameaça, 61% afirmaram ignorar os incidentes e 39%, responder ao agressor de alguma forma, considerando que 50% confrontam a pessoa on-line, 49% bloqueiam ou desfazem a amizade, 22% denunciam a pessoa ao site ou rede social e 16% confrontam pessoalmente, por telefone ou mensagem de texto.

Como medidas preventivas para evitar riscos, a ONG SaferNet recomenda revisar as configurações de privacidade em sites e redes sociais, restringindo o acesso a amigos e familiares, e sem deixar em modo público dados pessoais de contato como telefones e e-mails. Caso já esteja sofrendo um assédio virtual, guarde todas as evidências – printsdas telas, posts, mensagens, áudios – e denuncie ao site ou rede social. O crime de ciberbullying pode ser reportado, inclusive de maneira anônima, também na central da SaferNet e na Helpline. Se sentir que a sua segurança está em risco, procure ajuda em uma delegacia especializada em crimes virtuais, levando todas as evidências coletadas. Consulte aqui a mais próxima de sua região.

Clique aqui e saiba mais sobre o ciberbullying.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados