Sustentabilidade
16/05/2018 5 min

Tempo de leitura

Blockchain pode ser solução também para rastreamento de alimentos

Carrefour testa no Brasil tecnologia que permite acompanhar com segurança todo o processo de produção e transporte do produto até chegar às lojas

Sistema de registros que garante a segurança das operações de Bitcoins, o Blockchain começa a ser utilizado experimentalmente para outras aplicações. A rede de supermercados Carrefour foi a primeira a realizar no Brasil um teste com a tecnologia para o rastreamento dos alimentos comercializados em suas lojas. O objetivo é dar mais transparência e proteção ao consumidor, que pode consultar informações como procedência e validade usando seu celular para escanear o código QR nos rótulos.

Mas até chegar a esta etapa final, é preciso mapear e conectar todos os envolvidos em cada fase produtiva, logística e comercial. O item selecionado para o projeto piloto foi um lombo suíno, artigo bastante sensível às condições de transporte e conservação. O rastreamento teve início na fábrica, onde foram coletados dados como data do abate, do corte, funcionários responsáveis pelo manuseio e temperatura de armazenamento. Em seguida, foram registradas a forma de envio, percurso, chegada e descarregamento no centro de distribuição para posterior entrega na loja, onde os clientes tiveram a oportunidade de acessar todo este histórico no momento de escolher o produto.

O uso da tecnologia para rastrear alimentos poderia ter, por exemplo, impedido as fraudes realizadas por frigoríficos detectadas pela Polícia Federal na Operação Carne Fraca. Na ocasião, se apurou que as empresas alteravam datas de validade e “maquiavam” quimicamente os produtos para parecerem frescos, colocando em risco a saúde dos consumidores. Isso seria impossível de ocultar. Com o compartilhamento da base de dados, todos os participantes da cadeia têm a mesma visão de tudo e não é possível alterar um dado ali registrado, apenas acrescentar itens. Os processos podem ser acompanhados em tempo real e as transações só são efetivadas se todos aprovarem. O conteúdo é criptografado.

A segurança oferecida pelo Blockchain reside em sua estrutura avançada e inteligente. As informações são armazenadas em blocos de dados e cada bloco contém uma espécie de assinatura digital. Quando um novo bloco é criado, ele recebe a sua própria assinatura e a do bloco imediatamente anterior, formando assim a corrente que dá nome ao sistema. Para invadir essa rede, um hacker teria que quebrar a criptografia de bloco por bloco que, para completar, são distribuídos por vários servidores na internet, dificultando o acesso ao extremo. Qualquer alteração em um deles é identificada pelos demais.

Na França, o Carrefour já utiliza o Blockchain na comercialização de uma linha de aves em suas unidades, mas planeja expandir o recurso para mais oito diferentes categorias de produtos até o final deste ano. O teste brasileiro visa avaliar a adoção da tecnologia também por aqui, analisando a viabilidade e o impacto financeiro, uma vez que, para ser efetiva, todos os fornecedores teriam que aderir.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados