Segurança
14/02/2018 4 min

Tempo de leitura

Comportamento de risco reduz eficácia dos sistemas de segurança

Atos rotineiros como baixar arquivos e abrir links requerem cuidados do usuário

Os hackers digitais estão cada vez mais avançados, mas as soluções de segurança também. Então por que incidentes continuam sendo frequentes? Ainda não conseguimos gerenciar o fator humano. Sim, o comportamento no dia a dia pode ser a diferença entre a tranquilidade e o vazamento de dados críticos. Pesquisa da Kasperky Lab mostra que 46% das ocorrências de vazamento de dados são causadas por funcionários e 52% das empresas admitem que suas equipes são o elo mais fraco da em sua estrutura de Tecnologia da Informação.

O relatório revela ainda que 28% dos ataques direcionados a alvos corporativos iniciaram com o phishing ou engenharia social, prática em que um conteúdo fraudado induz os usuários a fazer o download de softwares maliciosos ou revelar informações confidenciais. Basta clicar em um link suspeito para acionar a contaminação, que pode derrubar em minutos todo o sistema da companhia. A falta de cuidados com dispositivos portáteis como cartões e pen drives foi apontada como outro fator motivador.

Outro estudo, o Norton Wi-Fi Risk Report , comprova que é preciso não só ampliar o treinamento nas empresas, mas também desfazer crenças equivocadas que colocam da mesma forma dados pessoais em perigo: mais de 90% dos brasileiros acessam sites de bancos, contas de e-mail ou compartilham documentos em redes vulneráveis, geralmente oferecidas em locais públicos e que não têm sua segurança monitorada por empresas de telecomunicações. 58% dos entrevistados também afirmaram acreditar que estão seguros ao utilizar este tipo de conexão, o que leva outros 60% a não tomar nenhuma medida de prevenção.

“Por mais que as empresas tenham colocado recursos em smartphones, sistemas ou aplicativos, a vulnerabilidade não está muito concentrada nos dispositivos, ela requer uma interação humana, ou seja, do usuário”, destaca Fernando Nicolau F. Ferreira, CEO da AuditSafe, consultoria especializada em segurança. “Se a pessoa não tem o discernimento ou o mínimo conhecimento em segurança, sabendo que deve inserir suas senhas, acessar ou navegar em sites suspeitos, vai continuar correndo riscos sérios à segurança e vazamentos de informações, pessoais ou profissionais”, completa.

Confira as dicas para evitar comportamentos de risco na internet aqui.

Se quiser conhecer a pesquisa completa da Kasperky Lab, acesse aqui.

Acesse também o estudo da Norton na íntegra.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados