Educação
07/08/2018 3 min

Tempo de leitura

Gosto musical vem de berço

Estudos apontam que a música é benéfica para os bebês e mães preparam playlists especiais para a hora do parto

Os benefícios da música são os mesmos para bebês, crianças e adultos: acalma, proporciona bem-estar, diverte, fortalece vínculos. Mas alguns estudos apontam que seu uso na terapia para bebês prematuros estimula o ganho de peso e reduz o tempo de internação no hospital. Entre crianças de 5 anos também pode promover maior criatividade e desempenho em testes cognitivos. Com tantas vantagens, por que não aproveitar esse recurso valioso para tornar o momento da chegada de uma nova vida ao mundo mais especial?

Segundo o Spotify, mais de 90 mil listas já foram criadas por seus usuários especialmente para a hora do parto. O serviço de streaming fechou uma parceria com o obstetra norte-americano Jacques Moritz para oferecer aos assinantes a playlist ideal para essa ocasião, a Birthing Playlist, com 30 canções dos mais variados estilos, inclusive com o Brasil muitíssimo bem representado por Milton Nascimento. “A música ajuda a distrair um pouco das dores e da comoção do que está acontecendo na sala de cirurgia”, destaca o médico. “Ela influencia fortemente nosso sistema límbico cerebral, responsável por gerenciar nossas memórias, emoções e o modo como lidamos com a dor e o medo”, explica. “Faz todo o sentido usá-la durante o nascimento como uma fonte de conforto e apoio”, completa Moritz, que tem 70% de suas pacientes entre as adeptas.

Para quem prefere montar sua própria playlist, Moritz recomenda escolher músicas que sejam familiares e agradáveis (de artistas ou gêneros preferidos), que considere bonitas e inspiradoras, mesclando canções instrumentais e com voz. A ideia é deixar as gestantes e os familiares o mais à vontade possível, com tudo o que traga boas lembranças. Como a duração do trabalho de parto pode variar, o arquivo pode ter entre cinco e 10 horas de música.

Confira abaixo as canções da Birthing Playlist:

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados