Inovação
17/05/2018 3 min

Tempo de leitura

Tecnologia brasileira revela novos aditivos naturais para alimentos

Corantes derivados de frutas tropicais desenvolvidos pela Embrapa podem substituir substâncias artificiais ainda usadas pela indústria

Não há dúvidas de que alimentos coloridos são mais atraentes e estimulam o paladar. O problema é quando substâncias sintéticas são adicionadas para ressaltar aquele vermelho ou laranja que abrem o apetite, privilegiando mais a aparência do que a nutrição. A pressão dos consumidores por opções alimentares mais saudáveis está obrigando a indústria a buscar alternativas aos aditivos químicos. A ciência pode ajudar. Depois de cinco anos de investigação, a Embrapa – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária conseguiu desenvolver novas opções de corantes naturais a partir de frutas tropicais.

A partir do processamento de cascas desidratadas e trituradas de jabuticaba, jambo e jamelão, os pesquisadores obtiveram um composto em pó rico em antocianinas, que são pigmentos solúveis em água e com tonalidades que vão do vermelho ao azul. São eles que dão a coloração característica a diversas flores e frutas, como a berinjela e o hibisco. Mas além de atuarem como corantes naturais, podem compor suplementos alimentares e funcionais, pois oferecem diversos benefícios à saúde: ajudam a combater inflamações, evitam os danos causados por excesso de radicais livres no organismo e têm propriedades antivirais e anticancerígenas. O próximo passo dos especialistas agora é avançar nos estudos de produção em escala e validação industrial para que o produto chegue ao mercado, inclusive a custos bem mais acessíveis do que similares importados.

Atualmente os fabricantes de produtos alimentícios trabalham com três tipos de corantes: naturais (extraídos de substâncias vegetais ou animais), caramelo (obtido a partir de açúcares) e artificiais (elaborados por processo de síntese com composição química). As tonalidades mais comuns dos corantes naturais são derivadas da cúrcuma (amarelo), urucum (vermelho), antocianinas (roxo) e clorofila (verde). A regulamentação é controlada pela Anvisa – Agência Nacional de Vigilância Sanitária, que desde 2016 determinou que todos os rótulos de alimentos que tipicamente contêm corantes – como gelatinas, sorvetes, iogurtes e refrigerantes – tragam um alerta sobre a presença de aditivos com risco de alergias.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados