Comportamento
18/12/2017 4 min

Na era dos apps, não esqueça seu médico

Aplicativos e dispositivos colaboram com a saúde, mas uma ida ao consultório é essencial

Um estudo revelou que 80% dos brasileiros buscam informações sobre saúde na internet. Mas hoje em dia o monitoramento do bem-estar corporal já conta com tecnologias mais avançadas que simples buscas. Um dos grandes exemplos de inovação aplicada à saúde é o cuidado com o idoso. Pulseiras de monitoramento 24 horas e botão de emergência que agilizam o contato com a família e com socorro em situações de urgência são tecnologias que permitem aos filhos cuidar dos pais mesmo a distância. O Tele Help, o 24/7 Care e o LinCare são alguns exemplos dos serviços.

A tecnologia também atende pessoas que sofrem com problemas cardíacos e cefaleia. Um bom exemplo são os inovadores aparelhos do sistema CGM: um dispositivo implantável que ajuda diabéticos a monitorar o nível de glicose em tempo real por meio de um aplicativo.

Além de ajudar os pacientes a entenderem melhor a doença, esses sistemas ajudam no acompanhamento de familiares. É o caso contado pelo podcast Invisibilia, da Nacional Public Radio – NPR dos Estados Unidos: as gêmeas idênticas, Kim e Nancy, tiveram sempre a relação pautada pela diabetes de Kim. Ao implantar o CGM e dividir com a irmã o aplicativo, Kim conseguiu mudar a dinâmica do relacionamento com Nancy: ao ter acesso em tempo real às informações médicas da irmã, a ansiedade em relação à doença diminuiu e abriu espaço para outros assuntos entre elas.

Outra novidade nos EUA é a pílula digital, que por meio de um chip pode avisar médicos e familiares se, de fato, o paciente ingeriu um medicamento. Por causa das questões de privacidade, a pílula pode encontra resistência, mas promete ajudar idosos e pessoas que fazem tratamentos longos.

Mesmo com toda facilidade do mundo tecnológico, o uso dessas inovações para monitorar a saúde deve ser consciente e não substitui o acompanhamento médico. Aplicativos e dispositivos são ferramentas para dar tranquilidade aos pacientes e familiares e apoiar tratamentos.

VOLTAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

22 Comentários

Artigos relacionados