Sustentabilidade
25/09/2018 3 min

Tempo de leitura

Pai cria aplicativo para filha com paralisia se comunicar

Ferramenta para tablet permite comunicação e aprendizado de pessoas com deficiência

Para dar voz e autonomia para a filha Clara que nasceu com paralisia cerebral por causa da falta de oxigênio na hora do parto, Carlos Pereira desenvolveu uma tecnologia que permite que pessoas com deficiência possam se comunicar e aprender. O pernambucano criou o Livox, um software de comunicação alternativa, mundialmente premiado, que transformou a história de Clara e seus pais. Desenvolvido no sistema Android para tablet, para auxiliar no desenvolvimento da comunicação e no processo de aprendizagem, o aplicativo, cujo nome vem do latim e significa liberdade e voz, já ajudou mais de 20 mil pessoas com deficiência a se comunicarem, pois consegue atender a diferentes deficiências e doenças.

O benefício proporcionado pelo Livox foi reconhecido pela ONU (Organização das Nações Unidas), que o premiou como a melhor tecnologia inclusiva do mundo. O aplicativo venceu também o Desafio de Impacto Social do Google para deficiências, que lhe garantiu um investimento de cerca de R$ 2,2 milhões para aprimoramentos.

Com a nova lei de inclusão escolar (Lei 13.146/2015), que proíbe escolas privadas de cobrar a mais de alunos com deficiência e determina que ofereçam profissionais de apoio, o aplicativo também foi avaliado pelo MEC (Ministério da Educação). A avaliação do Instituto Renato Archer classificou o Livox como uma ótima ferramenta de alfabetização para pessoas com e sem deficiência.

O Livox já é comercializado em quatro outras línguas: inglês, árabe, espanhol e alemão.

Assista ao vídeo abaixo e veja como a tecnologia transforma a história e ajuda um pai a entender melhor o mundo da sua filha.

Versão Original

Versão com Audio Descrição

E muitas outras histórias foram transformadas com a conexão digital, como a do estudante Armando Holanda que refez a vida ao conhecer o aplicativo criado por um grupo de universitários de Pernambuco para ajudar vítimas de LGBTfobia, e também a da dona Juraci Gutierrez, que aos 74 anos se aventurou pelo mundo tecnológico e criou um blog para discutir o envelhecimento com alegria e hábitos saudáveis. Assista!

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados