Comportamento
26/11/2018 3 min

Tempo de leitura

Pais e filhos conectados para aproveitar os melhores momentos

Definir que #temhorapratudo e estabelecer combinados ajuda a equilibrar o tempo com a família, com a tecnologia como aliada

Os adultos fazem o impossível para atender às demandas do dia a dia que, não raro, extrapolam os horários comerciais. Dos contatos de trabalho até a organização doméstica, o celular virou ferramenta essencial para ajudar nessa estressante tarefa, mas é só chegar em casa que a garotada reclama: “pai, vamos brincar!”, “mãe, tô com fome!”.

Não à toa, uma pesquisa da AVG Technologies apontou que 87% das crianças brasileiras acreditam que os pais passam tempo demais em smartphones e tablets. Convenhamos, ninguém precisa de mais este tijolinho na montanha de culpa que todos carregamos por ter uma rotina atribulada e não poder nos dedicarmos aos pequenos como gostaríamos.

Por outro lado, não podemos – e nem queremos – abrir mão da tecnologia e todas as facilidades que ela traz. Mas não é preciso escolher: basta ter sempre em mente que #temhorapratudo e estabelecer uma organização de prioridades e combinados que funcionem para todo mundo, dentro das necessidades de cada família.

O doutor em psicologia Rodrigo Nejm, diretor de educação da SaferNet, explica que tentar se dividir para fazer tudo ao mesmo tempo é inviável, além de muito desgastante. “Você não pode dedicar o mesmo tempo para fazer coisas tão diferentes, como amamentar e mexer no celular, por exemplo”, diz, acrescentando que as crianças, especialmente, exigem acolhimento pleno, por mais apertado que seja o tempo dedicado a isso. “Uma presença distribuída é percebida como desatenção e vínculo fragilizado, ainda que nem sempre de forma consciente”, aponta.

Para o especialista, uma dica importante para escapar do comportamento automático de verificar o smartphone a toda hora, é montar uma pequena agenda de momentos preciosos, nos quais valha a pena permanecer totalmente desconectado. “São aquelas interações fundamentais, como colocar a criança para dormir ou, no caso dos filhos um pouco mais velhos, fazer uma refeição conjunta”, recomenda.

Desconectar, no caso, não implica abrir mão dos recursos que os avanços tecnológicos garantem, mas sim focar a atenção apenas naquele momento presente. Há inclusive aplicativos que podem deixar essa convivência ainda mais gostosa, como o Inventeca (IOS e Android), em que pais e filhos podem criar sua própria história com base nas ilustrações fornecidas, gravando em áudio o que quiserem para depois ouvirem de novo inúmeras vezes– bem ao gosto dos pequenos na hora de entrar debaixo das cobertas.

Confira cinco dicas do site Motherly para criar uma agenda de bons momentos juntos, todos os dias – e que certamente indicarão ao seu filho que ele é a sua prioridade.

  1. Escreva uma lista das atividades diárias mais relevantes para os quais você usa o celular e defina quais são essenciais para o trabalho e quais são apenas lazer e relaxamento. Você precisa de ambos, mas poderá assim visualizar e definir o que pode ser feito em que horário, sem que os momentos de convivência sejam interrompidos.
  2. Faça com que seus filhos participem do debate e da definição de como serão as regras da família para o uso do telefone – e porque é importante ter esses momentos de convivência. Além de chegar a combinados bons para todos, isso faz com que compreendam melhor as ocasiões em que você precisa estar ao celular.
  3. Faça cartazes com avisos dos combinados – as crianças podem ajudar! – e coloque em vários locais da casa, como “Nada de celular na primeira hora ao chegar em casa” logo na porta de entrada, ou “Proibido celular durante as refeições”, na sala de jantar.
  4. Se habitue a dar pelo menos 10 minutos, duas vezes ao dia, de atenção total ao seu filho, seja ouvindo, brincando ou o que ele quiser fazer, sem dividir com mais nada. É um tempo viável e, embora pareça curto, fará diferença se a dedicação for total.
  5. Use as ferramentas oferecidas pelo seu celular para silenciar chamadas, alertas e notificações durante o período em família. É possível ainda agendar horários pré-determinados e definir receber ligações apenas de determinado interlocutor.
VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados