Inovação
27/10/2018 3 min

Tempo de leitura

Roupa envia mensagem pela pele e facilita comunicação

Dispositivo pode ser alternativa para comunicação de pessoas com deficiência

Um dispositivo a ser usado no antebraço do usuário como se fosse a manga de uma camisa pode ser usado como método alternativo de comunicação para pessoas com deficiência. O equipamento, que emite vibrações que correspondem a fonemas, foi desenvolvidpo por pesquisadores da Universidade de Purdue, em West Lafayette, Indiana (nos EUA).

Os testes demonstraram que, após um treinamento inicial com os fonemas, os usuários conseguiam aprender em velocidade de até uma palavra por minuto. Também foi perceptível para os cientistas que as pessoas nunca confundiam vogais com consoantes, já que as sensações são distintas.

O objetivo do experimento foi comprovar que informações podem ser transmitidas pelo toque, funcionando como um meio alternativo de comunicação. O sistema pode ser associado a várias tecnologias de comunicação, aumentado as capacidades de troca para pessoas com deficiência.

A princípio, a tecnologia é capaz de transmitir apenas fonemas e palavras em língua inglesa, mas os pesquisadores apostam que, no futuro, poderá se adaptar a outros idiomas e até mesmo a sons ambientes, transformados em mensagens pelo dispositivo.

Os cientistas decidiram coordenar a posição das diferentes vibrações do dispositivo com a posição de formação dos sons dentro da boca. Fonemas formados na parte frontal da boca, como P e B, produzem vibrações próximas ao pulso do usuário. Já sons produzidos na parte detrás da boca, como G e K, geram vibrações mais próximas do cotovelo. Vibrações estacionárias representam consoantes e sensações que se movem representam vogais. Consoantes sonoras, como B, geram vibrações mais fortes do que consoantes surdas, como P.

As pesquisas foram comandadas pela professora Hong Z. Tan, que leciona engenharia elétrica e computacional em Purdue, a pedido do Facebook.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados