Segurança
20/11/2017 3 min

Tempo de leitura

Seus dados estão protegidos?

Medidas simples evitam que seu dispositivo vire refém da nova ameaça dos hackers

O que parecia apenas cenas de uma criativa obra de ficção, já acontece na vida real: os ransomwares, softwares capazes de “sequestrar” dados de computadores e outros dispositivos conectados à internet, estão cada vez mais presentes e, agora, em ataques massivos. Os riscos não estão restritos a empresas e entidades. Como os bandidos atiram para todos os lados, podem acertar também o seu computador e o seu celular. Tentativas não faltam. Em maio, 74 países foram atingidos por uma ação criminosa global. Só em 2016, mais de 400 mil scans, ou tentativas de acesso e varredura de máquinas, foram reportadas ao CERT.br, órgão responsável por tratar incidentes de segurança em computadores que envolvam redes conectadas à internet brasileira.

O ransomware tem como objetivo o ganho financeiro, determinando sempre um valor que o usuário afetado deve pagar para ter seu dispositivo liberado. No caso do Bad Rabbit, que infectou milhares de sistemas na Rússia e na Ucrânia, no final de outubro, era preciso pagar 0,05 bitcoins (moeda virtual), o equivalente a mil reais. No WannaCry, responsável pelo estrago em maio, o resgate chegava a 300 dólares. O LeakerLocker, identificado pela McAfee em aplicativos para smartphones, pede 50 dólares, mas apela para algo que tiraria o sono de muitos: se em 72 horas o montante não for pago, todas as informações do aparelho – incluindo fotos e trocas de mensagens – são enviadas para todos os contatos da lista do proprietário.

Na maioria das vezes, o software malicioso é instalado inadvertidamente ao clicar em um link adulterado, que pode chegar por e-mail, SMS ou mensagem de WhatsApp, oferecendo brindes e descontos falsos. Com o acesso ao dispositivo, os dados são criptografados e a tela é bloqueada, indicando o que é preciso pagar para receber a senha de liberação.

Os ransomwares mais recentes, como o WannaCry, não necessitam de nenhum clique para iniciar o ataque, basta que o computador esteja on-line e tenha alguma vulnerabilidade, como sistema operacional ou programas desatualizados. Ao obter o acesso a um equipamento, ele automaticamente se replica a todos os outros que estiverem na mesma rede.

Segundo Rodrigo Nejm, diretor da SaferNet Brasil, associação civil dedicada ao enfrentamento de crimes e violações aos direitos humanos na internet, para evitar os ransomwares, além de ter cautela ao clicar em links ou abrir arquivos, é preciso ter um antivírus instalado e manter o sistema operacional e programas atualizados. “Também é essencial fazer backups, inclusive off-line, regularmente como forma de recuperar os dados se necessário, pois mesmo se o resgate for pago – o que não é recomendável, pois pode estimular mais ainda o crime –, não há garantia de que as informações serão liberadas”, afirma. “Se ocorrer a contaminação, o melhor a fazer é formatar o computador e reinstalar o sistema operacional ou, no caso do celular, retornar à configuração de fábrica, acessando depois o backup para nova inserção dos dados apagados”, orienta.

Veja algumas medidas simples que você pode adotar para deixar seu aparelho menos vulnerável.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados