Educação
22/03/2017 5 min

Tempo de leitura

Uma nova escola hoje para um futuro melhor

E onde a tecnologia se encaixa nessa história

Educar é estender os alicerces para o futuro da nossa sociedade e construir parte do nosso legado. A educação é uma das mais poderosas ferramentas de transformação e apesar de ser uma prioridade unanime nos discursos, encontra desafios e dificuldades para se adaptar à realidade atual. Uma escola que se organiza com base na transmissão e memorização de conteúdos não é compatível com uma realidade em que informações de todos os tipos estão a poucos cliques de distância. Tão pouco funciona uma escola que se fecha em si em um contexto completamente conectado. As novas tecnologias – principalmente a internet, com a popularização dos computadores pessoais, smartphones e tablets – transformaram a maneira como vivemos, e carregam um grande potencial para colaborar com a reforma tão necessária da educação: “Precisamos de uma transformação pedagógica que permita, através das tecnologias, mudanças na forma como ensinamos e aprendemos”, afirma o psicólogo, consultor de tecnologias educacionais e mestre em comunicação e linguagens, Pablo de Assis.

Nos tempos atuais, qual seria o princípio de uma instituição educacional relevante para sua comunidade? “[A escola] deveria se beneficiar do que algumas teorias pedagógicas já vêm frisando há tempos: o aluno não pode ocupar o papel passivo de receber informações de seu professor, e nada mais. É preciso estimulá-lo a interagir com aquilo que se quer que ele aprenda, a manipular o conhecimento, de maneira contextualizada e com objetivos concretos, para que se possam tecer teias de significados entre as informações, de modo integrado”, é o caminho que aponta o professor de língua portuguesa do Ensino Fundamental e Médio, Rafael Sachs.

É nesse contato mais intenso e íntimo do aluno com o objeto de estudo que as novas tecnologias servem como ótimas ferramentas. E não estamos falando de simplesmente substituir o livro didático por um tablet e a lousa tradicional por uma digital. A ideia é que os dispositivos como celulares, tablets, computadores, por meio da internet, colaborem para a expansão da sala de aula em diversos aspectos. O professor Rafael indica algumas maneiras:

  • O acesso a conteúdos por meio de recursos multimodais, com visões diferentes sobre o mesmo assunto;
  • A possibilidade de propor projetos mais complexos, envolvendo mais de uma área do conhecimento até, dando mais autonomia para o aluno no processo de aprendizagem, já que ele tem ferramentas rebuscadas para tal;
  • A facilidade do professor de acompanhar um projeto sendo realizado em tempo real, ao invés de avaliar um trabalho somente como produto final.

Com essas opções tecnológicas, até mesmo o espaço físico da escola é transformado. Algumas escolas já liberam o acesso ao Wi-Fi, permitem o uso do celular em sala e mudam a disposição das carteiras para um círculo, estimulando o diálogo e o trabalho colaborativo. Ao contrário do que pode se imaginar inicialmente, o papel do professor é ainda mais essencial nesse contexto: “Ele deixa de ser o portador de conhecimento e experiência, e passa a ser um guia do aprendizado dos alunos, que passam a produzir e criar com os demais alunos conhecimentos que servirão não só para a transformação e aprendizado pessoal, como também para a inserção na sociedade e efetiva transformação da realidade.”, explica Pablo.

Apesar dessa visão parecer um tanto quanto “futurista”, são necessidades da sociedade total, visando um futuro melhor para todos.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados