Segurança
19/10/2018 3 min

Tempo de leitura

Vamos falar sobre ciberbullying?

Campanhas e ações nas redes sociais chamam a atenção para o problema e ajudam a combater discursos de ódio e agressões

Em 2017, a ONG SaferNet recebeu 63.698 denúncias anônimas envolvendo 32.936 páginas na internet, sendo 63% relacionadas a discursos de ódio. Nos casos atendidos pelo canal de ajuda da entidade, a maior demanda foram situações de ciberbullying e ofensas, com 359 ocorrências. O panorama no Brasil reflete um problema global. Segundo o Cyberbullying Research Center, quase metade dos adolescentes no mundo já sofreu algum tipo de intimidação ou agressão na rede, sendo que entre 10% e 20% passam por isso regularmente. Ações deflagradas por instituições, personalidades e ativistas pretendem promover maior conscientização para tentar mudar esse triste panorama.

“É preocupante ver que, mesmo com a maior divulgação, informação, legislação pertinente e canais de denúncia, ainda há uma cultura crescente de ódio que se dissemina na internet, com a banalização desses discursos, intolerância, apologia à violência e preconceito”, destaca o diretor de educação da SaferNet, Rodrigo Nejm. “O fato é que crianças e adolescentes muitas vezes reproduzem o comportamento dos adultos que, protegidos pela distância do ambiente digital, onde não se vê ali diretamente a reação emocional do outro, propagam ideias afeitas ao racismo, violência contra a mulher ou homofobia.É uma crise de civilidade que vivemos, isso está diretamente associado à expansão do ciberbullying”, diz.

Para a SaferNet, o contra-ataque é a melhor defesa para essa disseminação, mas com armas pacíficas. Em parceria com o Google e a Unicef Brasil, a ONG lançou este ano o SaferLab, um laboratório de ideias para a produção de contranarrativas de enfrentamento aos discursos de ódio e que levem a importância da diversidade para a rede. Para isso, jovens de 16 a 25 anos puderam se inscrever para participar de um processo de formação e mentoria, concorrendo depois a bolsas que vão de R$ 1,5 mil a R$ 12 mil para custear e colocar em prática as 10 melhores sugestões. A primeira etapa, com orientações on-line para todos os inscritos, já foi concluída, e agora 150 classificados integrarão as sessões presenciais para o desenvolvimento dos projetos, submetidos posteriormente aos jurados.

Já a ONG Cybersmile recorreu a um expediente incomum: convidou a blogueira fitness Chessie King para uma ação especial que demonstrasse na prática os possíveis danos do ciberbullying. Para cada comentário agressivo e depreciativo sobre suas fotos no Instagram, ela deveria retocar sua imagem no Photoshop, alterando tudo o que fosse criticado em sua aparência. As fotos finais ficaram irreconhecíveis, mas a violência que faz parte do dia a dia de muita gente ficou evidente.

Denúncias podem ser feitas na Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados