Comportamento
13/07/2018 4 min

Tempo de leitura

Jogos on-line: use com moderação

Uso lúdico e pedagógico da tecnologia pode trazer benefícios ou danos – o segredo está no equilíbrio

A massificação da internet e dos dispositivos móveis levou a diversão eletrônica a novos patamares. Jogos on-linese disseminaram e ganharam recursos inovadores como Inteligência Artificial e Realidade Aumentada. As barreiras geográficas caíram e os mais de 2 bilhões de gamers em todo o planeta podem interagir em partidas globais. Além de benefícios como o estímulo à concentração, melhorias na memória e habilidades sociais, pesquisas mostram ganhos adicionais na brincadeira virtual. Um dos estudos apontou que games como Minecraft podem até mesmo fomentar o pensamento criativo entre adultos. Por outro lado, como todo excesso, o uso exagerado dos games pode ter o efeito contrário, trazendo prejuízos especialmente a crianças e jovens. A palavra-chave é equilíbrio.

“Essa é uma reflexão mundial, pois por mais que os jogos possam ser educativos e saudáveis, é muito grave quando crianças de 3 anos ficam muitas horas on-line, em detrimento de outros tipos de estímulo, com riscos de comprometer seu desenvolvimento cognitivo, motor, percepção espacial. É preciso dar espaço para que ela exercite suas descobertas fora da rede, nos métodos tradicionais”, diz Rodrigo Nejm, diretor de educação da ONG SaferNet. “Cabe aos pais fazer esse controle e dosar o tempo gasto nesse tipo de entretenimento, o que é válido também para os adolescentes”. Para saber quais os indícios de que a utilização está acima do adequado, clique aqui.

A preocupação é mais do que justificada para uma geração que já nasceu conectada. A pesquisa TIC Kids On-line, realizada com mais de 5 mil famílias nas cinco regiões do Brasil, revelou que 91% das crianças e adolescentes entre 9 e 17 anos já se conectaram à internet pelo celular. Para ajudara proteger esses usuários, a Sociedade Brasileira de Pediatria criou inclusive um manual de orientação, inspirado em estudos e recomendações internacionais e adaptadas à realidade dos brasileiros.

O diretor da SaferNet lembra ainda que a qualidade do conteúdo deve ser outro foco de atenção da família na navegação da garotada. No site do Ministério da Justiça é possível consultar a classificação indicativa dos jogos on-line e verificar se é recomendado para a faixa etária dos filhos. Um dos games mais populares, o Counter Strike, por exemplo, não é indicado para menores de 16 anos. As lojas de aplicativos também fornecem esta informação e o Google disponibiliza adicionalmente uma ferramenta de controle parental para os dispositivos Android. “É essencial verificar se o filho já tem maturidade para perceber os limites entre a realidade e a ficção ou mesmo se saberia lidar com o teor de violência presente em alguns jogos, é preciso abrir este diálogo e deixar espaço para esclarecer dúvidas”, acrescenta Nejm. “Uma boa dica de uso pedagógico é levar aos jovens ensinamentos de como se constrói um jogo, tanto do ponto de vista de programação como da lógica narrativa e definição das regras, deixando que exercite esse olhar crítico, fundamental em uma sociedade quase totalmente digital”, afima.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados