Inovação
02/09/2019 7 min

Tempo de leitura

Podcast: o novo rádio “on demand”?

Conversamos com o podcaster Ivan Mizanzuk e exploramos a história e o cenário do podcast no Brasil, como está o consumo do novo formato entre os brasileiros e onde escutar!

No caminho para o trabalho, faculdade ou durante uma faxina, ouvir podcasts já é parte do dia a dia de muitos brasileiros. Por ser uma mídia em ascensão, o mercado tem criado cada vez mais conteúdo nesse formato, além de mapear e identificar o perfil da chamada “podosfera” brasileira, termo criado para designar toda a esfera relacionada aos podcasts.

O podcast, diferentemente do rádio tradicional, é um programa de áudio que você pode ouvir em dispositivos móveis, como smartphones e iPod, baixando o conteúdo transmitido pela internet por meio de aplicativos específicos para esse tipo de mídia (que são atualizados conforme os episódios dos podcasts são lançados). Entre os aplicativos mais famosos, estão o Spotify, que começou a investir em conteúdo próprio recentemente, iTunes, Google Podcasts e Podcast & Radio Addict.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo IBOPE em janeiro de 2019, dos 120 milhões de internautas brasileiros, 40% já ouviram um programa de áudio. Para falar um pouco sobre o mercado de podcasts no país, convidamos Ivan Mizanzuk, professor na UniBrasil e PUC Paraná em Curitiba, escritor e podcaster idealizador do Anticast e Projeto Humanos.

Um breve histórico sobre os podcasts

A partir de 2006, alguns produtores de conteúdo brasileiros (Jovem Nerd, B9 e MdM, por exemplo)  perceberam no formato de programa de áudio uma maneira de produzir conteúdo de qualidade mais rentável e acessível. Desde então, começaram a surgir cada vez mais podcasts sobre humor, cinema, cultura pop, tecnologia, política, empreendedorismo, e até mesmo documentais aos moldes de audiodramas e narrativas.

Ivan comenta que desde que começou a fazer podcasts, muita coisa mudou: “Eu comecei a produzir em 2011 com o Anticast, e em 2015 lancei o Projeto Humanos. São momentos completamente diferentes, o que eu vivi agora e o que eu vivi antes”, relembra e complementa: “Tínhamos uma podosfera muito mais focada em produção de conteúdo de cultura pop na época, e era difícil ter assuntos mais sérios sendo abordados. Então hoje há uma diversidade maior de podcasts e, principalmente, de público interessado em outros assuntos, tanto da parte de quem consome quanto dos produtores”.

Quais são os principais desafios dos podcasts no Brasil?

Mizanzuk comenta sobre os maiores desafios em produzir esse tipo de conteúdo em áudio, principalmente no formato storytelling (uma história com narrativa): “Um dos maiores desafios […] é que ele demanda muito tempo e recurso para ser produzido, e nem todo mundo está preparado para isso”, afirma.

O podcaster usa como exemplo a nova temporada do Projeto Humanos, sobre o Caso Evandro, em que documenta um caso investigativo da década de 1990. Ivan levou aproximadamente dois anos de pesquisa para lançar a série, que já passa da marca dos 20 episódios publicados. Por conta do enorme sucesso da temporada, o podcast será adaptado em formato de livro e série de TV.

Afinal, o podcast é o rádio “on demand”?

Mizanzuk acredita que a nova forma de consumir programas de áudio é, de fato, uma transformação na forma de ouvir o rádio tradicional: “Eu não tenho dúvidas de que o podcast é uma espécie de rádio ‘on demand’. A questão de você ouvir o que quiser e quando puder, ter o controle da programação, poder pausar e avançar… nesse sentido, ele pode ser visto como um rádio on demand”, comenta e complementa:  “Mas isso não significa que ele vá substituir o rádio, da mesma forma que a Netflix também não substituiu a TV aberta, por exemplo”.

Diferentemente do rádio, o destaque para mídias como o podcast está na questão da produção de conteúdos segmentados e mais aprofundados: “[…] enquanto no rádio profissional isso já é mais difícil de acontecer, ou existe, mas com algumas restrições”, pontua Mizanzuk.

Para complementar o diálogo, conversamos com Andrei Fernandes, editor, escritor e podcaster no Mundo Freak e no Magickando, e Alexandre Nickel, produtor audiovisual e fundador da Agência de Podcast, uma das primeiras empresas do Brasil a trabalhar exclusivamente com a produção e comercialização de podcasts. Ouça agora no Spotify ou clicando abaixo!

Por fim, Ivan faz um balanço sobre qual a maior recompensa em criar podcasts: “Minha maior recompensa é poder ser um vetor que traz assuntos para as pessoas se informarem, se entreterem e discutirem todo dia. É muita honra poder ser uma fonte de comunicação para pessoas que você nem conhece, isso é muito legal!”, encerra.

E aí? Quais são seus podcasts favoritos? Onde você costuma ouvi-los? Em casa, no trabalho, no caminho para a faculdade? Conte pra gente nos comentários! (:

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados