Sustentabilidade
19/06/2019 7 min

Tempo de leitura

Como a corrida por curtidas pode prejudicar o meio ambiente

Você sabia que a “ganância” por curtidas nas redes sociais está prejudicando o meio ambiente? Entenda como isso acontece, aqui!

As redes sociais mudaram bastante o nosso comportamento cotidiano. Até poucos anos atrás, se quiséssemos mostrar nossos registros de viagens para amigos e familiares, precisávamos revelar um filme em um lugar especializado e esperar dias por um processo demorado e muitas vezes frustrante, já que os resultados poderiam ser borrados, escuros demais ou a pose não ter saído muito boa. A revolução criada pelas máquinas digitais, que chegaram ao mercado na metade dos anos 90, trouxe também um novo jeito de fotografar. Conseguimos, finalmente, checar a foto tirada e repetir tudo se necessário!

Os anos 2000 avançaram e, com eles, o fenômeno dos celulares com câmera e acesso à internet. Orkut, Fotolog, MySpace, Facebook, Twitter, Instagram e várias outras redes começaram a fazer parte do nosso cotidiano. Passamos, então, a, cada vez mais, compartilhar fragmentos de nossas vidas.

Mas, com um número crescente de usuários, uma cultura de corrida por curtidas e comentários começou a surgir. A ansiedade pela aprovação alheia faz com que as pessoas sintam a necessidade de publicarem apenas fotos consideradas “perfeitas”, mostrando exclusivamente os lados mais positivos de sua vida. E entre as diversas consequências que esse culto à perfeição traz, uma anda chamando bastante atenção: o desgaste acelerado da natureza original de locais turísticos. Entenda!

A corrida por curtidas x meio ambiente

O problema está no volume de pessoas registrando seus passeios de maneira indevida. Administradores desses locais estão encurtando os períodos de visitas e, em alguns casos, o local foi fechado para visitação.

É o caso do túnel de trem de Helensburgh, na Austrália. Desativado há muitos anos, ele virou o lar de uma população de larvas bioluminescentes — um tipo de ser vivo que emite uma luz própria proveniente de reações químicas —, que fazem o teto do local parecer um eterno céu estrelado. O visual é lindo! Mas visitantes passam por ali usando flashes e vários outros tipos de luzes artificiais, o que prejudica sensivelmente a existência saudável das tais larvinhas. O área, então, ganhou portões para restringir o acesso à área. O gerente de preservação do local, Allan House, revelou em entrevista a origem dos danos: “Boa parte dos seres foi perdida por contato com sinalizadores e fogos de artifício trazidos por aqueles que querem ter uma boa foto. E isso é muito prejudicial para esses insetos.”

A Figure Eight Pools, outra grande paisagem australiana, começou a receber muito mais visitantes do que nunca depois de ter aparecido em contas de influenciadores famosos em diversas redes sociais. O lugar, apesar de belíssimo, apresenta alguns perigos naturais e precisa ser visitado com a supervisão de um profissional. O próprio site oficial da atração tem recomendações específicas para aqueles buscando o clique ideal: “Mesmo com nossos avisos, alguns não resistem à tentação de tirar uma selfie. Caso você nos visite, o faça de uma maneira segura e marque um passeio guiado.” Mais abaixo, existem dicas de outros pontos turísticos melhores para fotos. “Evite as multidões que agora dão nova fama à Figure Eight Pools.”

Tudo isso pode ser evitado com o incentivo ao uso responsável e saudável das redes sociais. Tirar fotos, registrar momentos alegres e compartilhá-los com quem gostamos é sempre algo divertido! O Dialogando selecionou algumas dicas para que você não deixe de aproveitar passeios com responsabilidade e respeito à natureza. Dê só uma olhada!

Dicas conscientes para fotografar seus passeios

É preciso saber a hora de fotografar e a hora de curtir o momento. Sabendo equilibrar bem, dá pra fazer belos registros e ter boas memórias. Que tal compartilhar com todos os seus amigos essas dicas? Assim, todo mundo sai bem na foto! 😉

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 Comentários

  • Joyce says:

    Obrigada! Deveria ser leitura obrigatória.

    • Dialogando says:

      Oi, Joyce! Nós buscamos sempre trazer mais conteúdos como esse. Obrigado pelo seu comentário! 🙂

  • Michele calandrine do Corral says:

    Super interessante a nível de segurança e alerta para as pessoas.
    Parece que nos dias de hoje o obvio tem quer dito!!!!

    Obrigada.

    • Dialogando says:

      Oi, Michele! Mesmo quando vamos tirar uma boa foto, o respeito e a segurança devem estar em primeiro lugar. Obrigado pelo seu comentário! <3

  • Edvaldo CAstanhari says:

    Conteúdo interessante para reflexão, não apenas pelo aspecto da preservação mas também por questões de segurança pessoal. Sou fotógrafo amador e penso que os limites devem ser respeitados sempre. Não ultrapassar áreas que possuam placas de advertência como “Acesso Proibido”, por exemplo, é algo importantíssimo, pois pode representar o limite entre uma área de livre circulação e uma propriedade particular ou até mesmo uma área de risco cujo terreno contenha buracos ou até mesmo fendas, que por vezes estão escondidos por vegetações. Fotografe com cautela, pense em sua segurança em primeiro lugar.

    • Dialogando says:

      Oi, Edvaldo! Muito bem observado, a segurança e o respeito devem vir sempre em primeiro lugar. Obrigado pelo seu comentário!

Artigos relacionados