Comportamento
19/07/2019 7 min

Tempo de leitura

Saiba como a tecnologia pode ajudar a identificar um relacionamento abusivo

Conversamos com a Youtuber Dora Figueiredo sobre como a tecnologia pode ajudar a identificar os sinais de um relacionamento abusivo e sobre como é importante dialogar sobre o assunto

Desde a criação da Lei Maria da Penha, em 2006, que torna mais rigorosa a punição para agressões contra mulheres, os números de ocorrências vêm aumentando cada vez mais no Brasil. Porém, a violência contra as mulheres não é só física. Segundo a lei, outros tipos de abuso contra a mulher também se enquadram, tais como: violência patrimonial, sexual, física, moral e, principalmente, violência psicológica.

Dora Figueiredo, Youtuber e Influenciadora Digital, divulgou um vídeo em seu canal onde conta sua experiência pessoal com relacionamento abusivo. No vídeo, Dora faz um alerta para todas as outras mulheres falarem sobre o assunto, procurarem ajuda e não se calarem diante de uma situação como essa.

Em entrevista para o Dialogando, Dora reforça a importância de mulheres se abrirem e falarem sobre isso. “Eu acho importantíssimo as mulheres falarem sobre seus abusos. Quando começamos a falar, vemos que outras pessoas passaram pela mesma coisa. Com pessoas diferentes, em outro Estado ou em outro país. Então a gente vive a mesma violência e, se a gente não conversar, não saberemos que é uma violência.”

Em fevereiro deste ano, o Datafolha, a pedido do Fórum de Segurança Pública, ouviu mais de mil mulheres sobre casos de violência contra a mulher. Cerca de 42% das entrevistadas disseram que já sofreram agressões dentro de casa. A pesquisa também identificou os principais perfis de agressores, que em sua maioria são cônjuges e namorados, representando quase 24% dos casos.

O movimento #MeToo

A Youtuber relembra os efeitos que o movimento #MeToo (que significa “Eu também”), que começou nos Estados Unidos em outubro de 2017, com atrizes que começaram a denunciar os abusos dos quais foram vítimas. “Eu acho que nós estamos conseguindo falar muito mais abertamente depois do #MeToo. É muito importante falar dos assédios, dos abusos e das violências que as mulheres sofrem. Elas são constantes e são muito parecidas no mundo inteiro.”

A visibilidade que as mulheres trazem umas às outras com esse tipo de movimento também é muito importante e, além disso, pode despertar a questão em outras pessoas que estejam passando por algo semelhante, mas não sabem disso. “Se uma pessoa famosa falar sobre um caso que ela passou, é uma coisa que mostra que ninguém está isento disso, de viver algo assim. Você não está isento de passar por uma violência, na verdade isso é muito comum.”

Como a tecnologia pode ajudar mulheres que estão vivendo em situação de vulnerabilidade?

A psicóloga Priscila Ferraz, pós-graduanda em Psicodrama pela Associação Brasileira de Psicodrama e Sociodrama (ABPS), comenta que o acompanhamento psicológico é essencial nesse tipo de caso, mas que a tecnologia também pode ser uma ferramenta muito importante no processo de tratamento de mulheres que passam por essa situação. “Quando alguém está vivendo em um relacionamento abusivo, ela tende a se isolar do resto do mundo. Existe um trabalho a ser feito para que as mulheres consigam falar sobre isso. A internet pode ajudar nesse processo, aproximando mulheres para que elas possam compartilhar relatos e formar uma rede de apoio, por exemplo. Isso pode ser uma forma para ela encontrar forças e entender que ela não está sozinha.”

Organizações e redes de apoio para mulheres

O Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) elaborou a Cartilha #NamoroLegal com dicas simples e práticas sobre relacionamentos, para ajudar outras mulheres a reconhecerem os sinais de que estão em um relacionamento abusivo.

Além disso, instituições como a ONU Mulheres, o Instituto Avon, o Instituto Maria da Penha e o próprio MPSP, através de projetos como o Projeto Acolher, Projeto Instruir, por meio do GEVID – Grupo de Atuação Especial de Enfrentamento à Violência Doméstica, campanhas nas redes sociais como a “ElesporElas”, promovida pela ONU, têm um importante trabalho social para reduzir os índices de violência e promover a conscientização de cada vez mais pessoas.

Por fim, Dora é enfática quanto ao debate e à visibilidade dada aos casos de relacionamento abusivo. “Quanto mais a gente falar sobre o assunto, mais a gente vai saber evitar […] Porque, se você sabe o que é um relacionamento abusivo, você consegue ter um relacionamento saudável.”

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 Comentários

  • aline says:

    super precisamos colocar em pauta esse assunto. pra que todas nós possamos cuidar umas das outras!

    • Dialogando says:

      Oi, Aline! Neste momento, cuidar e estar ao lado de quem precisa é o mais importante.

  • Juliana Marques Souto de Sousa says:

    É muito importante sempre abordar esse assunto, pois muitas mulheres sofrem esse tipo de violência abusiva, e não conseguem enxergar uma porta de saída, quando temos informações através das mídias, e amigos dispostos a ajudar, é mais fácil sair dessa triste situação.

    • Dialogando says:

      Oi, Juliana! Estimular o debate e falar sobre isso com parentes e amigos próximos pode ajudar – e muito, mulheres que passam por esse tipo de situação. Obrigado pelo seu comentário!

Artigos relacionados