outubro-rosa-tecnologia-que-salva-vidas

Outubro Rosa: tecnologia que pode salvar vidas

Outubro Rosa: tecnologia que pode salvar vidas

Como segundo tipo de câncer mais comum no país, o câncer de mama deve atingir mais de 59.700 pessoas em 2018, segundo o Inca (Instituto Nacional do Câncer), correspondendo a 28% dos novos casos a cada ano. Contudo, se for detectado em seus estágios iniciais, a chance de cura pode chegar a 90%.

A boa notícia é que a mamografia, um dos métodos mais eficazes para realizar o rastreamento precoce, ganha avanços tecnológicos que prometem maior precisão e menos incômodo.

O aparelho que promete reduzir o desconforto ocasionado pela compressão das mamas já tem previsão para chegar por aqui. De acordo com pesquisa feita pelo fabricante, em comparação com o mamógrafo tradicional, 93% das usuárias que antes sentiam algum nível de dor no exame, destacaram não ter tido incômodo com o novo dispositivo, que se adapta ao formato da mama.

A funcionalidade tem imagens 3D em alta resolução, assegurando uma leitura tridimensional e mais nítida de possíveis lesões. Essa técnica, denominada tomossíntese, foi apontada por estudo, publicado na revista científica Radiology, como capaz de ampliar em até 90% o poder de diagnóstico do câncer.

A origem da mamografia é de 1913, quando o médico alemão Albert Salomon efetuou o primeiro exame mamário com tecnologia de raios X, verificando o conteúdo obtido em mastectomias para verificar a existência de microcalcificações.

Em 1930, o americano Stafford Warren fez a primeira mamografia em um paciente, desenvolvendo uma técnica de produção de imagens estereoscópicas dos seios.

Em 1950, o uruguaio Raul Leborgne apurou que as imagens diferiam conforme a posição do corpo e que a compressão era relevante para melhores resultados. Credita-se a ele a associação do aparecimento do câncer no seio com as microcalcificações, presentes em 30% dos casos radiografados.

O primeiro aparelho para análise do tecido mamário chega em 1966, desenvolvido pela GE, que também criou em 1980 equipamentos especiais para a compressão. Em 2000, a leitura digital revolucionou mais uma vez o exame, substituindo os filmes usados.

Clique aqui e saiba mais sobre a prevenção e o tratamento do câncer de mama.

Fonte: Vivo Dialogando - Outubro Rosa: tecnologia que pode salvar vidas (2018)

Deixe uma resposta

O campo mensagem deve conter pelo menos 3 caracteres
Newsletter

Receba nossas notícias e fique por dentro de tudo ;)