Segurança
04/06/2019 6 min

Tempo de leitura

Como a tecnologia ajuda jornalistas a não espalharem fake news?

Se você é jornalista ou apenas quer fugir das fake news, aqui estão algumas dicas para detectar conteúdos falsos. Veja!

A propagação de fake news é um dos grandes fatores de preocupação para quem consome notícias rapidamente. Checar a veracidade de um fato, apesar de essencial, pode ser uma tarefa demorada. Por isso, é imprescindível que jornalistas façam sempre o trabalho de checagem das notícias e apurem todos os acontecimentos para que se previnam de espalhar mentiras. O Dialogando, então, decidiu ir atrás do método usado por jornalistas para compreender melhor o que faz com que eles

Como identificar e evitar a Fake News

“Acho que tudo se resume a uma frase que uma editora minha sempre dizia: ‘não chute, cheque’ ”, diz o jornalista Chico Felitti. “Então, se alguém me diz, por exemplo, que tem um restaurante que vende carne de cachorro no centro da cidade, é minha obrigação ir lá e conferir”, explica. O caso citado por ele é real e Chico acompanhou um grupo de defensores dos direitos dos animais que visitou a cozinha do local denunciado em uma fake news. “Todo mundo entrou e no fim não tinha cachorro nenhum. Imagina o que poderia ter acontecido se alguém publicasse a notícia sem ter ido lá?”

Esse processo é, sem dúvidas, o que mais toma tempo na rotina de um jornalista. “É preciso entrevistar as pessoas, buscar documentos que provem aquilo que você vai publicar e garantir que aquilo seja verdade”, explica. O mesmo vale para boatos mais soltos que surgem em aplicativos de conversa ou rodas de amigos: “Apurar um boato é tão trabalhoso quanto apurar uma notícia dada por uma fonte que está perto da informação”.

Uma outra alternativa rápida e muito confiável é o trabalho da Aos Fatos, uma agência de checagem de notícias com o método International Fact-Checking Network. Isso significa que a Aos Fatos é, reconhecidamente, um veículo apartidário e transparente. E o Dialogando conversou com Ana Rita Cunha, editora e pauteira da Aos Fatos, para entender melhor esse fenômeno — e saber como não espalhar nenhuma mentira quando não há tempo de checar muitas coisas:

“Quando nós pesquisamos e falamos com leitores, vemos que as pessoas costumam confiar no conteúdo recebido porque conhecem quem enviou. E se esses tais indivíduos espalham automaticamente informações sem nenhum cuidado, forma-se uma rede de compartilhamento de algo que nem sempre é verdade”, explica. “Quando compartilhamos algo, estamos dando um voto de confiança”.

Dicas para evitar as Fake News

Ana nos deu algumas dicas sobre como se prevenir de mentiras. Utilize-as antes de compartilhar qualquer informação, principalmente por causa da propagação de fake news no WhatsApp! Veja abaixo!

Fake News - Dicas para identificá-las!

Além dessas dicas, você pode conferir outros manuais de checagem na própria página da Aos Fatos! Para isso, clique aqui!

“A verdade deixa rastros, e o jornalista precisa achá-los para poder publicar algo”, afirma Chico Felitti. “Não acredite em qualquer corrente enviada a você.” De acordo com ele, ir atrás da notícia em um veículo de jornalismo profissional que existe há muito tempo é, ainda, a melhor das opções: “Grandes veículos são confiáveis porque perdem muito se publicam algo falso. Se reportam algo que não se confirma, vão perdendo a confiança do público, seus anunciantes e podem fechar.”

Por isso, olho vivo ! A tecnologia existe também para que possamos nos informar melhor – e é nossa responsabilidade manter um ambiente seguro e saudável de compartilhamento de conteúdos. É melhor sempre fazer uma pesquisa breve antes de compartilhar qualquer coisa, combinado?

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados