Segurança
12/09/2019 5 min

Tempo de leitura

Invasão de privacidade no celular: ele está te ouvindo?

Invasão de privacidade no celular é um tema em alta. O quanto uma pessoa consegue alcançar as informações das outras, incluindo conversas? Seu celular está ouvindo?

Um dia, durante uma conversa com amigos, vocês já falaram sobre planos para viajar nas férias e, horas depois, começaram a surgir anúncios relacionados ao assunto no seu smartphone, como sugestões de hotéis, passagens aéreas e destinos mais procurados? Todo aparelho eletrônico que possua recursos como câmera e microfone, quando habilitados para serem usados por aplicativos, podem captar a voz e a imagem dos usuários.

Para entender melhor porque isso acontece e como está relacionado a invasão de privacidade no celular, conversamos com a Dr.ª Cristina Sleiman, advogada e pedagoga, mestre em Sistemas Eletrônicos e Vice-Presidente da Comissão Especial de Direito Digital e Compliance da OAB SP.

O seu celular está te ouvindo?

Cristina comenta que, quando baixamos alguns aplicativos, eles podem solicitar acesso aos recursos de câmera, microfone e armazenamento interno do smartphone e por isso podem captar informações dos usuários. “Isso acontece porque muitas empresas utilizam esse mecanismo. Na verdade, não são necessariamente aplicativos espiões, mas aplicativos que o próprio usuário instala no seu smartphone e, ao aceitar os termos de uso, permite a coleta de informações”, afirma Cristina.

Quando questionada sobre a razão de as empresas precisarem desse tipo de informação, a Dr.ª Sleiman é enfática: “As empresas coletam os dados porque é muito importante saber qual o perfil daquele usuário, o que deixa ele feliz. As empresas utilizam também para prever tendências e até mesmo para questões relacionadas a assuntos financeiros”.

A advogada diz que as empresas deveriam alertar os usuários que essa coleta de informações pode acontecer. “O ideal seria que, antes de o usuário baixar o app, as empresas avisassem que aquele determinado aplicativo coleta sons e imagens, porque se o usuário concordar com plena ciência do que pode ocorrer, será licito”.

Existem maneiras de evitar esse tipo de “escuta”?

Além de orientar os usuários a sempre utilizarem o antivírus nos aparelhos eletrônicos e lerem os termos de uso de serviços e aplicativos, a advogada lembra que é necessário que as pessoas tomem medidas preventivas e nunca instalem aplicativos suspeitos. “O usuário pode verificar o Termo de Uso do app ou serviço e, se ele julgar que esse tipo coleta de informações seja invasivo, poderá declinar e até mesmo desistir de instalar”.

Outra medida que o usuário pode tomar para não liberar acessos além do necessário para esses aplicativos é verificar na área de Configurações do smartphone que tipos de acesso estão habilitados para cada app.

Permissões de aplicativos

Cuidar com a invasão de privacidade no celular e no ambiente digital deve ser sempre a prioridade no dia a dia dos usuários. Portanto, siga as recomendações dos profissionais de segurança digital, fique atento aos termos e condições de uso de algum serviço ou aplicativo e lembre-se de nunca instalar aplicativos ou softwares de fontes desconhecidas.

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados