Segurança
25/11/2019 6 min

Tempo de leitura

Entenda como a tecnologia pode ajudar a identificar fraudes na Black Friday

Grandes ofertas podem estar acompanhadas de golpes. Veja como se proteger.

Ao comprar online, você já se deparou com algum tipo de fraude ou desconto falso? A Black Friday marca o início da temporada de compras natalinas e, por isso, é preciso tomar cuidado com lojas falsas, vendedores mal-intencionados e ofertas suspeitas.

Para entender como essas fraudes ocorrem e como se prevenir, conversamos com Jorge Duro, professor e coordenador acadêmico do MBA de Gestão Comercial e de Vendas e do curso de Formação em Gestão Estratégica de Franquias, do IAG – Escola de Negócios da PUC-Rio.

Quais são os tipos mais comuns de fraudes na Black Friday?

De acordo com o especialista, os falsos descontos ainda são o tipo de ocorrência líder nessa época do ano. “Os tipos mais comuns de fraude na Black Friday são os falsos descontos. O comércio aumenta com antecedência o preço dos produtos, para aparecer um número grande e atraente de desconto na hora da venda na Black Friday, quando, na prática, não há desconto nenhum.”

Além disso, Jorge comenta sobre uma estratégia muito comum entre sites e vendedores mal-intencionados. “Normalmente, no período anterior, as lojas que fazem fraudes vão aumentando o preço do produto, divulgando-o em mídias eletrônicas com um preço fake, mais caro que o normal, e depois fazem os falsos descontos”, relata.

Porém o professor pontua que a tecnologia pode ser uma aliada nesse momento, evitando, assim, que o consumidor seja enganado por esse tipo de fraude. “Existem sites que acompanham preços de lojas, fazendo um monitoramento do histórico de preços daquele fornecedor. Essa é uma ferramenta boa para o consumidor, para saber até que ponto o desconto é vantajoso e se, de fato, ele existe ou não.”

Sites como o EscolhaSegura, que criou uma extensão de monitoramento de preços para Google Chrome, Zoom e JáCotei podem ajudar os consumidores na hora de comparar e monitorar preços.

Para quem já foi enganado ou se sentiu lesado em alguma transação online, o especialista recomenda que desista da compra ou procure a orientação do PROCON, Órgão de Defesa do Consumidor. Inclusive, o IDEC (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) possui uma cláusula específica para compras online, onde o consumidor que se arrepender pode devolver o produto em até sete dias após o recebimento a compra.

Infográfico para as Fraudes mais comuns na Black Friday

De acordo com a FEBRABAN (Federação Brasileira dos Bancos), hoje, 70% das fraudes estão ligadas à engenharia social, que consiste em os criminosos manipularem o usuário para que ele forneça informações confidenciais, tais como nome completo, CPF, senha de cartões etc.

O esquema utilizado por criminosos virtuais envolve aplicativos e links maliciosos, nos quais o usuário recebe um e-mail suspeito com um link e, ao clicar nele, um vírus é instalado no aparelho. Assim, os criminosos conseguem ter acesso ao dispositivo do consumidor.

Outro tipo de golpe muito famoso entre os criminosos é a criação de sites falsos, feitos para enganar os consumidores que, quando vão comprar, podem ceder informações pessoais e até mesmo dados bancários.

Para não cair no golpe, confira sempre o link e o domínio do site, se não há nenhuma palavra escrita de maneira errada ou algum selo de “Seguro”, “Verificado”, “Protegido”. Se ainda houver dúvida, faça uma busca no Google com o nome da loja e confira se o endereço mostrado nos primeiros resultados é o mesmo do site que você está acessando.

Portanto é importante conferir sempre se os aplicativos e os sites das lojas são confiáveis antes de fechar uma compra e, além disso, tomar cuidado com o phishing — ou seja, não ceder informações pessoais ou dados bancários para sites de origem suspeita.

E você, como está se preparando para aproveitar a Black Friday? Conte para nós nos comentários!

VOLTAR

Gostou da notícia? Esse artigo te fez pensar diferente?

Curta quantas vezes quiser e mostre o quão relevante foi esse conteúdo pra você!

Conta pra gente o que você achou e comece uma conversa!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados